Quando se pensa em motivação, ainda se acha que é uma coisa que o nosso corpo sente, e sem saber bem o porquê, tem algumas vontades. A motivação é um pouco mais complexo do que isto. A motivação representa forças externas e internas que produzem a iniciação, direção, intensidade e persistência de um comportamento direcionado a um objetivo específico e é uma das variáveis cognitivas determinantes na adoção e manutenção de hábitos desportivos (Buckworth & Dishman, 2007).

Na verdade, para termos motivação, precisamos de ter um objetivo, precisamos de saber qual a meta a atingir, do desafio. Por isso, muitas vezes treinadores e educadores pedem aos seus jogadores ou alunos, para estarem motivados, em vez de lhes pedir uma lista de objetivos que gostavam de atingir com a modalidade que praticam. Na minha opinião, o esquema da motivação começa aqui, muito antes de conquistar a essência para a prática desportiva continua.

Sem a motivação apropriada é difícil que os atletas se dediquem à prática desportiva com o sacrifício e perseverança que é exigido ao mais alto nível de rendimento desportivo. Para Vasconcelos-Raposo e Mahl (2005), a motivação pode ser definida como a direção e intensidade de um esforço. Se um indivíduo procura aproximar-se ou é atraído para determinadas situações, estamos perante a direção do esforço. Na verdade, precisamos sempre do objetivo, do foco, da lista de metas que temos a atingir para chegar a onde escolhemos. Mais que isso, precisamos planear para perceber se estamos dispostos ou não para enfrentar os passos seguintes. A quantidade de esforço que um atleta colocada numa determinada situação refere-se à intensidade do esforço (Weinberg & Gould, 2007).

A psicologia da motivação tem como objetivo responder a questões gerais como: por que razão é que alguns indivíduos participam em desportos e outros não? Por que é que uns atletas praticam futebol e outros atletismo ou esqui? Quais os fatores que são importantes para manter alguém otimamente motivado num desporto e como manter esse nível ótimo de motivação? Ou, por outro lado, por que é que alguns atletas abandonam antecipadamente a prática desportiva?

A planificação que falava anteriormente, é essencial para responder a estas questões e para programar o que determinado atleta quer daquela modalidade, uns querem ser campeões, outros só querem perder peso, outros manter um estilo de vida ativo, outros querem amigos ou namoradas.

Parece existir consenso quando atletas e treinadores afirmam que um atleta com elevados níveis de motivação utiliza a sua energia para estabelecer objetivos e para cumpri-los, emprega vontade de resolver os problemas, evidencia elevados níveis de atenção e concentração e demonstra entusiasmo e gosto pela participação desportiva. Por estas razões é da maior importância que a motivação e os processos associados a esta sejam objeto de permanente preocupação por parte das equipas técnicas.

Não podemos esquecer que a motivação afeta o rendimento desportivo, mas só porque na maioria das vezes não nos preocupamos em trabalha-la.

Ricardo Cardoso – Psicólogo