O papel do desporto na nossa sociedade tem uma dimensão muito importante e é através dele que se revelam crises, defendem valores, e se nota o caminho tomado pela sociedade à procura do lucro na lógica do capitalismo. É importante que possamos reflectir e criticar na procura de valores éticos que interessem a uma maioria e não a uma minoria que foge ao percurso das aspirações humanas. Devemos estar atentos ao caminho a seguir.

Hoje em dia e mais que nunca o desporto é o espelho de uma sociedade quebrada em termos de valores humanos. A incapacidade de parar o capitalismo que tanto tem afectado o desporto nestes anos todos é tal, que a imagem criada pelo Pierre de Coubertin para o desporto está cada vez mais longe. Hoje impera o lucro a competição, o consumo, a obtenção de capital a qual quer preço, sem dúvida que o desporto é o reflexo daqueles eixos que caracterizam a sociedade dos nossos dias. Uma sociedade capitalista e com grande quebra de valores.

Concomitantemente a isto tudo, o desporto é encarado como algo que deve dar lucro e resultados, logo quanto mais se sobe na fasquia do rendimento mais lucro se exige. Em simultâneo temos o atleta, o jogador que é encarado como uma simples máquina de obter vitórias, para que o seu valor suba, ficando assim desprovido de qualquer valor moral e muitas vezes sem sequer poder expressar os seus sentimentos há cerca de uma ou outra situação que o envolve, como é o caso, por exemplo, de transferências, empréstimos. (Crespo, 2004)

A saúde cívica que devia estar patente no desporto deixou o seu espaço para a criação de um consumo desportivo errado e eticamente perdido na forma como a sociedade encara o desporto de hoje. O desporto é criado para ser consumido como produto de distracção, não como ensino ou transmissão de valores. Surgem então duas perguntas ”o que distingue, afinal, o valor de um homem? Qual o critério moral para o definir e para o avaliar?” Estas duas questões ganham uma dimensão colossal quando se tenta ter uma resposta, afinal, apenas se relacionam com a forma de estar na sociedade tendo um único objectivo,”obter lucro através das vitórias”.

Nada mais importa a não ser a capacidade de amealhar seja o que for e indo contra o que for preciso.

Sem dúvida que o grande problema é que o desporto hoje em dia se dedica à criação em massa de estrelas vitoriosas.

Os atletas são treinados para obter uma melhor performance o mais rápido possível deixando para trás valores e ideais essenciais no futuro. O que interessa é ganhar agora, no futuro outros viram.

Presenciamos ainda ao mau exemplo da competição de alto nível onde as agressões e a transposição dos limites humanos, éticos e leais são ultrapassados constantemente. Passando assim estes exemplos para os escalões mais jovens. (Crespo, 2004)

Sendo assim a educação no desporto deve ser elevada e explorada ao máximo na procura de um esclarecimento e criação de objectivos bem direccionados e construídos.

Preocupa-me quando festejamos na rua uma vitória e fazemos disso a demonstração da conquista de mais uma batalha numa guerra que afinal não deve existir.

Ricardo Cardoso – Psicólogo