O Vieirense recebeu no seu reduto o vice-líder do campeonato e voltou a claudicar agora diante do GRAP por 0-2. A equipa da casa só na segunda parte conseguiu dar um ar da sua graça, perante um opositor que se mostrou forte e determinado, alcançando os três pontos de forma justa.

O GRAP, com um futebol mais trabalhado, começou o jogo a actuar no meio-campo adversário, enquanto o Vieirense apresentava um bloco baixo. Vieirinha foi o primeiro a deixar o aviso, mas não conseguiu desfeitear Carlos Vieira, rematando fraco.

Não satisfeito com o rendimento da sua equipa, Luciano Silva mexeu no seu 11 ainda no decorrer da primeira parte, mas sem grande tempo para mudar o rumo dos acontecimentos.

Mesmo assim, antes do descanso, duas situações de golo para cada lado. Primeiro foi Gonçalo Coelho quem testou os reflexos de Mocheco e, na resposta, os forasteiros, mais eficazes, chegaram ao golo, num magnífico passe de Bruno Cepeda para Miguel Pereira, com este a rematar para o golo, e Pê, em cima da linha, a confirmar o que era certo.

A vantagem do GRAP ao intervalo espelhava bem a grande supremacia no encontro da formação que viajou dos Pousos.

No reatamento, os visitantes voltaram a entrar melhor e Vasco esgueirou-se sobre a direita e obrigou Carlos Vieira a aplicar-se. Pouco depois, os mesmos protagonistas estiveram em acção, mas Vasco, bem isolado por Rica, não conseguiu iludir Carlos Vieira, ao tentar o chapéu.

Do lado contrário, foi Flávio Botas quem, numa jogada idêntica, também viu Mocheco impedir o golo, numa das raras ocasiões de perigo protagonizadas pelo Vieirense.

Com os donos da casa mais adiantados no terreno, Vasco, à terceira tentativa, conseguiu o tento que tanto procurava, ao concluir bela jogada com um remate em arco, fazendo um golo de belo efeito.

Pouco depois foi Miguel Pereira quem rematou à figura do guardião da casa. O médio poderia ter aumentado o marcador já no período de compensação, mas, mais uma vez, Carlos Vieira mostrou-se a grande altura.

No último suspiro, Flávio Botas poderia ter reduzido quando, solto de marcação dentro da grande área, atirou incrivelmente por cima, quando tinha tudo para fazer o golo.

Arbitragem de fraco nível.|

ID Vieirense 0
Carlos Vieira, Rúben Fernandes, Diogo Freitas, João Batista (Nuno Santos, 67’), Xano, Sérgio Letra (c), Gonçalo Coelho, André Cruz, Giovety (Douglas, 40’), Bruno Godinho e Bruno Gomes (Flávio Botas, int.). Não jogaram: Hugo Neto, Nuno Santos, Bruno Dinis e Heber Pêssego.
Treinador: Luciano Silva.

GRAP 2
Mocheco, Lagoa (c), Fábio Martins, Migas, João Miguel, Miguel Pereira, Rica, Bruno Cepeda, Vieirinha (Cristiano, 63’), Pê, (Camará, 73’) e Vasco (Cédric, 82’). Não jogaram: Makê, Mika, Celso Brito e Igor.
Treinador: Carlos Ribeiro.

Estádio Tomé Albano Féteira, na Vieira de Leiria
Árbitro: Bruno Santos.
Espectadores: 150. Ao intervalo: 0-1.
Golos: 0-1 Pê (45+1’), 0-2 Vasco (60’).
Disciplina: Amarelo a Giovety (23’), Sérgio Letra (27’), Flávio Botas (78’), Bruno Godinho (80’), Camará (87’).

Texto e foto: Fábio Osório – Diário de Leiria