Um jogo pobre, com raríssimas oportunidades de golo e jogado a um ritmo por ambas as equipas. Assim se podem caracterizar os 90 minutos de futebol que os jogadores da UD Leiria e do GD Sourense proporcionaram aos poucos adep­tos presentes nas bancadas.

Depois de ter recuperado a liderança do campeonato na jornada passada, esperava-se uma UD Leiria autoritária e acutilante, perante um adversário que, na teoria, seria bastante inferior aos leirienses. Contudo, aquilo que se viu foi muito pouco por parte da turma de Rui Amorim que só conseguiu construir a vitória através de lances de bola parada porque tudo o resto foi mau demais.

A primeira parte foi de uma pobreza constrangedora. A UD Leiria assumia o jogo, mas optava por um futebol lento, previsível, e muito estático, ou seja, uma presa fácil para um Sourense agressivo e compacto a defender.

Ainda assim, os visitantes, sempre que podiam, tentavam chegar à frente de ataque, mas também aí a defesa superiorizou-se aos homens da frente do Sourense.

Com o jogo tão ‘amarrado’, o golo só poderia surgir de bola parada e assim foi: num livre lateral apontado por Pepo, Nailson apareceu solto de marcação à boca da baliza e até teve que se baixar para cabecear para o golo inaugural.

Segunda parte foi mais do mesmo
Na segunda parte, esperava-se melhor, mas foi mais do mesmo. O Sourense tentou subir as suas linhas, mas nem um único remate conseguiu fazer à baliza de Wilson. Do outro lado, o melhor que se viu foi um livre de Pepo que saiu por cima e alguns remates de meia distância que não chegaram sequer a incomodar Vítor Ferreira.

Só na etapa final é que o jogo teve alguma emoção quan­do Leandro Souza apareceu isolado, mas Vítor Ferreira cortou o lance com a mão fora da grande área, com o guardião visitante a receber ordem de expulsão.

Na sequência do livre directo, descaído para a esquerda, Pepo bateu de forma exemplar, não dando hipóteses ao recém-entrado Murta.

Pouco depois, com mais espaço para jogar, a UD Leiria voltou a criar perigo numa jogada individual de Filipe Brigues, mas o remate em jeito saiu ao lado da baliza.

Arbitragem tranquila do trio de arbitragem vinda de Santarém.|

UD LEIRIA     2
Wilson, Filipe Brigues (c), Nailson, Tony Correia, Kaká, Maksim, Afonso Caetano (Ulisses, 57′), Pepo, Adriano Castanheira (Diaby, 70′), Leandro Souza, João Vieira (Fabrice Kah, 81′).
Não jogaram: Ricardo Campos, Ernest, Rukas, Sérgio Duarte.
Treinador: Rui Amorim.

GD SOURENSE   0
Vitor Ferreira, Rodolfo, Guenole, Alex, Tozé, Diogo Barreto, Rui Barreto, Seidi, Justino (Murta, 85′), Eric (Paulo Quaresma, 81′), Sandro (Souza, 72′).
Não jogaram: Waizea, Moura, Ansersson, Hugo Fernandes.
Treinador: Rafael Silva.

Estádio Municipal Dr. Magalhães Pessoa (Leiria)
Espectadores: 150
Árbitro: Rui Mendes (Santarém). Assistentes: Afonso Silveira e Adriano Sousa.
Ao intervalo: 1-0.
Golos: 1-0 Nailson (34′), 2-0 Pepo (86′).
Disciplina: Amarelo a Tozé (21′), Filipe Brigues (48′), Maksim (67′). Vermelho directo a Vítor Ferreira (84′).

Texto: José Roque – Diário de Leiria
Foto: Pedro Castanheira Cunha