Num jogo em que foi sempre melhor, o GRAP goleou o Vidreiros por 1-6, e segue na perseguição ao líder GD Peniche.
Com rápidas transições ofensivas, o GRAP entrou melhor e, logo aos 11′, dispôs de uma ocasião clara de golo. Camará cruzou perigoso e Vasco, com um desvio oportuno, atirou para as mãos de Pedro Duarte.
O sinal mais era claramente do GRAP e, aos 20′, Paulo Leitão considerou mão na bola dentro da grande área, com Rica, na marcação do castigo máximo, a fazer o 0-1.
Em desvantagem, o Vidreiros procurou responder, e primeiro Carlos Tiago e depois Rúben Coelho, em lances consecutivos de fora da área, procuraram surpreender Mocheco, mas sem sucesso.
Apesar destes lances, o domínio continuava a pertencer à equipa dos Pousos e, aos 26′, Micka deu o melhor seguimento a um lançamento largo de João Vítor e, de cabeça, ampliou para 0-2. Reforçada a vantagem, o GRAP não baixou a intensidade e, ainda antes do intervalo, Vasco dispôs de duas boas ocasiões de golo, mas acabou por se precipitar.
E se Vasco mostrou-se perdulário na etapa inicial, praticamente no regresso dos balneários, o avançado do GRAP mostrou que poderia fazer muito melhor. Assim, aos 46′, isolou-se, e só com Pedro Duarte pela frente, fez o 0-3. O avançado tomou-lhe o gosto e, aos 52′, num lance em que ganhou novamente em velocidade à defesa contrária, e só com o desamparado Pedro Duarte pela frente, passou por este calmamente e fez o 0-4.
O Vidreiros, nesta fase, já pouca réplica conseguia oferecer, e assim não foi de estranhar o avolumar do resultado. Aos 72′, e depois de uma assistência ‘açucarada’ de Miguel Pereira, Vasco, fez o 0-5, completando o seu ‘hat-trick’.
Apesar de praticamente só defender, o Vidreiros chegou ao golo de honra após cruzamento de Vitinho que João Vitor, com um corte infeliz, acabou por introduzir a bola na sua própria baliza. Perto do fim ainda houve tempo para Vasco ter mais uma das suas arrancadas, ganhando a toda a defensiva dos Vidreiros e colocando em Cédric Jorge, que fez o 1-6 final.
Vitória justa do GRAP, por números que espelham na perfeição o que foi o jogo, mas onde a equipa de Picassinos, apesar de todas as limitações que tem, fez pela vida e honrou a vitória do seu adversário.
Arbitragem regular de Paulo Leitão, ainda que não isenta de pequenos erros, nomeadamente de um dos seus auxiliares.

GD Vidreiros 1
Pedro Duarte, Ricardo Carpinteiro, João Luís, Gonçalo Ribeiro (Amaro, int.), Vitinho, Hugo Gaspar, Carlos Tiago (c), Marco Azenha (David Santos, int.), João Matos, Rúben Coelho, Évora (Cardoso, 74′). Não jogaram: Gonçalo Dias.
Treinador: Hugo Pinheiro.

GRAP 6
Mocheco, Lagoa (Rudy, int.), Lomba (c), Micka, João Vítor, Migas, Rica (Cédric, 53′), Miguel Pereira, Vieirinha, Camará (Daniel, 74′), Vasco. Não jogaram: Makê, Fábio Martins, Pedro.
Treinador: Carlos Ribeiro.

Campo do Tojal, em Picassinos
Árbitro: Paulo Leitão. Assistentes: Paulo Silva e Henrique Brites.
Espectadores: 100. Ao intervalo: 0-2.
Golos: 0-1 Rica (20′, p.), 0-2 Micka (26′), 0-3 Vasco (46′), 0-4 Vasco (52′), 0-5 Vasco (72′), 1-5 João Vítor (85′, a.g.). 1-6 Cédric (87′).
Disciplina: Amarelo a João Luís (19′), Lomba (23′), Carlos Tiago (33′), Rúben Coelho (44′), Vitinho (78′), Amaro (79′), João Vítor (90′), Cédric (90+2′).

Texto e foto: Pedro Almeida – Diário de Leiria