Chamar de ‘maldição’ pode ser excessivo, mas a verdade é que, desde que há Campeonato de Portugal (CP), competição criada em 2013, todos os campeões distritais de Leiria não conseguem garantir a manutenção na época seguinte. AD Portomosense, SC Pombal, GD Peniche, GC Alcobaça e, mais recentemente o AC Marinhense são os exemplos de clubes que se sagraram campeões distritais, mas que, na época seguinte, no Campeonato de Portugal, não conseguiram a manutenção, regressando um ano depois à competição distrital.
As explicações para esta ‘maldição’ são muitas, mas para o presidente do GD Peniche tem tudo a ver com dinheiro e estrutura. “Há uma diferença muito grande em termos financeiros de uma competição para a outra. Se não houver um investimento muito forte as equipas do distrito de Leiria estarão sempre ‘condenadas’ a descer”, salientou João Viola, presidente que levou o GD Peniche aos campeonatos nacionais.
A opinião é partilhada pelo actual treinador do GC Alcobaça, Filipe Faria, que levou a sua equipa ao Campeonato de Portugal, tendo descido na época seguinte. “Sem dinheiro é para esquecer”, vincou o técnico, acrescentando que “é possível” uma equipa de Leiria manter-se no Campeonato de Portugal, “desde que se aprenda com os erros” e “haja um investimento significativo”.
Outro aspecto que tem levado ao insucesso dos clubes de Leiria está relacionado com a estrutura e a organização. Para João Viola, há ainda um longo caminho a percorrer. “É preciso ter mais pessoas a trabalharem em prol do grupo, a tratar de toda a logística. Há equipas na distrital ainda com um pensamento e uma estrutura muito amadoras e isso impossibilita que se pense noutros voos”, explicou o presidente do GD Peniche, acrescentando que o CP “exige muito” não só em termos financeiros, mas também da “disponibilidade das pessoas”.
Também ao nível da preparação, o dirigente diz que a diferença entre as competições é abissal. “No Campeonato de Portugal a época para a grande maioria dos clubes já terminou há duas semanas. Logo, podem desde já começar a preparar a próxima época, fazer contratações, etc. Nós na distrital ainda nem sequer sabemos quem vai subir, ou seja, quem for campeão vai ter quase dois meses de atraso na preparação da época em relação às equipas que permanecem no CP”, explicou João Viola.
Já Filipe Faria acredita que o sucesso de uma equipa de Leiria no CP passa por fazer uma aposta no semi-profissionalismo “não só de jogadores”, mas também “de toda a estrutura”. “É preciso que haja pessoas que pensem em todos os pormenores e que tratem de tudo de forma a que os jogadores e equipa técnica não tenham outro tipo de preocupações”.
Para o treinador do GC Alcobaça, outra questão importante está relacionada com as próprias infraestruturas dos clubes. “É preciso que haja sempre um relvado disponível para o treino dos seniores mais cedo do que acontece agora”, no sentido de atrair jogadores que tenham “um compromisso total com o treino e com os jogos”.
Na próxima época, o distrito de Leiria poderá contar com apenas dois clubes no Campeonato de Portugal, estando apenas certa a presença do Caldas SC. Caso a UD Leiria não consiga a subida de escalão, então o distrito terá três clubes no CP, contando com o próximo campeão distrital, numa decisão que passará entre GD Peniche e GRAP. Neste último caso, seria uma estreia nos campeonatos nacionais.|

Texto: José Roque – Diário de Leiria