O GD Peniche fechou a época com chave de ouro. Depois de ter conquistado o título distrital, a formação de Vítor Martins espalhou classe no Estádio Municipal da Marinha Grande vencendo de forma inequívoca o Beneditense por 5-1, garantindo com toda a justiça a conquista da Supertaça distrital, para gáudio de largas dezenas de adeptos penichenses que fizeram a festa junto dos jogadores após o apito final.
Num jogo aguardado com grande expectativa tendo em conta a qualidade das duas equipas e pelo facto de o Beneditense se apresentar moralizado com a vitória na Taça do Distrito, a verdade é que o Peniche dominou em toda a linha, tendo tido a tarefa mais facilitada após a expulsão de Miguel Guerra.
Mas antes disso o Peniche já tinha demonstrado que queria arrecadar mais um troféu para o seu vasto palmarés, tendo marcado cedo numa transição ofensiva rápida em que depois de alguma cerimónia para rematar à baliza, a bola foi cruzada para a área onde apareceu Amar Boissy a desviar para o golo inaugural.
O Beneditense sentiu muito o golo sofrido e nunca conseguiu incomodar o seu adversário. Assim, perto da meia hora de jogo, o Peniche voltou a fazer estragos quando Pedro Patrício perdeu a bola em zona proibida, permitindo a Motinha isolar Tiago Ferreira que, com todo o tempo do mundo, tirou um adversário da frente e atirou forte para o fundo das redes.
Se a tarefa da equipa de Leandro Santos já era complicada, mais difícil ficou depois da expulsão do ‘maestro’ da equipa, contudo já perto do intervalo, o Beneditense deu um ar da sua graça na sequência de um canto em que Ricardo Cardoso cortou a bola ao primeiro poste, mas o esférico sobrou para Pedro Patrício que, sem tirar os pés do chão, cabeceou para o 2-1, fazendo renascer as esperanças para as hostes da Benedita.
Ainda antes do descanso, o Beneditense criou perigo com um remate de Diogo Lopes que passou pouco ao lado do poste e, na resposta, Tiago Ferreira, em boa posição para marcar, foi carregado em falta dentro da área, mas o árbitro mandou seguir.
Na segunda parte, o Peniche surgiu em campo a dominar o jogo em toda a linha, mas foi o Beneditense a primeira equipa a criar perigo quando Marcelo Marquês rematou cruzado a centímetros do poste. Do outro lado, o Peniche mostrou maior eficácia com Paulo Brites a cruzar para a área, onde Fábio Silva falhou a intercepção permitindo a Tiago Ferreira encostar para a baliza deserta (3-1).
Pouco depois, o Peniche sentenciou a partida numa bonita jogada colectiva, com Ricardo Cardoso a cruzar para a área, onde apareceu Fred Martins a amortecer com o peito para o remate na passada de Tiago Ferreira, com o avançado a assinar o seu ‘hat-trick’.
Com o passar do tempo, o Beneditense foi baixando os braços com o Peniche a somar várias oportunidades para marcar. Numa delas, André Cosme rematou contra um defesa quando Fábio Silva estava fora dos postes e, depois, foi Telmo Patrício quem rematou com violência à barra.
Depois das ameaças o golo chegou mesmo com Tiago Martins a aproveitar um corte em cima da linha de Batuto para, na recarga, atirar para o fundo das redes (5-1).
Estava feita a festa dos homens de Peniche, perante o ar desalentado dos jogadores da Benedita que nunca viraram a cara à luta, mas viram-se impotentes para travar um Peniche que foi demasiado forte em todos os momentos do jogo.
Arbitragem com alguns erros de Ricardo Carreira. A expulsão de Miguel Guerra parece excessiva num jogo que não estava a criar problemas, e parece ter ficado um pontapé de penálti por marcar por derrube a Tiago Ferreira dentro da área. Foi pena.|

GD PENICHE     5
Diogo Soares, Paulo Brites, Paulo Henriques, Miguel Duarte (Tiago Martins, 70′), Ricardo Cardoso (Diogo Bento, 69′), André Cosme, Luís Pinto (c), Frederico Martins, Tiago Ferreira, Motinha (Telmo Patrício, 73′).
Não jogaram: André Mata, Soro Dalhata, Tiago Pereira, Valdir.
Treinador: Vítor Martins.

BENEDITENSE     1
Fábio Silva, André Justino, Batuto (c), Pedro Patrício, Rafael Ramalho, Miguel Rodrigues, Miguel Guerra, Marcelo Marquês (João Noite, 69′), Diogo Lopes (João Matias, 67′), Tonicha (Lucas Guedes, 61′), Lucas Grilo.
Não jogaram: Rafael Ferreira, Diogo Fialho, Guilherme Lopes, Rafael Peralta.
Treinador: Leandro Santos.

Estádio Municipal da Marinha Grande
Árbitro: Ricardo Carreira. Assistentes: Henrique Ramos e João Santos.
Espectadores: 600.
Ao intervalo: 2-1.
Golos: 1-0 Amar Boissy (7′), 2-0 Tiago Ferreira (28′), 2-1 Pedro Patrício (38′), 3-1 Tiago Ferreira (55′), 4-1 Tiago Ferreira (67′), 5-1 Tiago Martins (85′).
Disciplina: Amarelo a André Cosme (69′), João Matias (90+2′). Vermelho directo a Miguel Guerra (30′).

Texto: José Roque – Diário de Leiria
Foto: Luís Filipe Coito