O Vieirense não foi além de um empate (2-2) na recepção ao Ginásio de Alcobaça, com o empate a surgir mesmo nos instantes finais, de grande penalidade, numa partida muito condicionada pelo forte vento que se fez sentir em Vieira de Leiria que contribuiu, e de que maneira, para o jogo ter duas partes muito distintas.
A equipa da casa entrou no jogo praticamente a vencer com o golo madrugador de Flávio Botas que aproveitou a recarga de um remate de Daniel para encostar e fazer o primeiro do jogo.
A reacção do Alcobaça não tardou a aparecer e por pouco Valdir não aproveitava o desentendimento na defensiva Vieirense para empatar, mas rematou ligeiramente por cima.
Depois da ameaça o golo surgiu, com Candeias a fazer um cruzamento remate que foi aliviado pela defensiva, mas o forte vento dificultou a saída da bola que sobrou para Bruno Oliveira encher o pé e rematar para o fundo das redes, repondo a igualdade.
O Alcobaça estava melhor na partida, aproveitando estar a favor do vento, e exercia maior domínio de jogo. Assim, foi-se abeirando da baliza caseira, com Pedro Pimenta a cabecear para a defesa segura de Rúben. Pouco depois foi Valdir quem rematou, mas o guardião encaixou fácil. Do outro lado, o Vieirense sentia dificuldades em sacudir a pressão e quando o fez Teles demorou a dominar e passou o perigo.
Foi a equipa da casa a entrar melhor no segundo tempo, aproveitando agora estar a favor do vento para empurrar o visitante para junto da sua baliza, mas não obstante pressionar mais o adversário o Vieirense demorava a criar perigo. Ainda assim, o remate de André Lourenço saiu muito por cima e Bruno Estrelinha segurou tranquilo o remate de Flávio Botas.
Contra a corrente do jogo foi mesmo o Alcobaça a consumar a reviravolta, na sequência de um pontapé de canto em que Miguel Jacinto atacou o primeiro poste e fez o golo num forte golpe de cabeça.
Até final o Vieirense aumentou a pressão e o perigo foi rondando a baliza forasteira, mas o correr do relógio foi aumentando a ansiedade e os avançados vieirenses mostrava-se perdulários.
Já para lá dos 90 minutos, André Lourenço, com bom trabalho, serviu Flávio Botas que fez o mais difícil e acertou no poste. Quase no último suspiro o árbitro assinalou grande penalidade por mão na área, e da marca dos 11 metros André Cruz fez o 2-2 final.
Boa arbitragem de Gonçalo Carreira, num jogo sem casos, e em que as equipas também não complicaram.|

ID Vieirense 2
Ruben Lopes, Héber, Ruben Fernandes, André Lourenço, Serginho (David, 68’), Júlio (Cláudio, 79’), Letra (c), André Cruz, Daniel Oliveira, Flávio Botas e Teles.
Não jogaram: Carlos Vieira, Luís Carlos, Fábio Lucas, Freitas e Bruno Ferreira
Treinador: Luciano Silva.

GC Alcobaça 2
Bruno Estrelinha, Candeias (Tiago Orega, 79’), Bruno Oliveira, Miguel Jacinto, Guilherme, Telmo, Hélio Aurélio, Miguel Rodrigues, Bruno Daniel (c), Pedro Pimenta (João Pimentel, 60’) e Valdir (Lourenço, 88’).
Não jogaram: Fábio Santos, Quitério, Tiago Luís e Ruben Santos.
Treinador: Leandro Santos.

Estádio Albano Tomé Feteira, Vieira de Leiria
Árbitro: Gonçalo Carreira. Assisten-tes: Nuno Pereira e Fábio Monteiro.
Espectadores: 230. Ao intervalo: 1-1.
Golos: 1-0 Flávio Botas (3’), 1-1 Bruno Oliveira (14’), 1-2 Miguel Jacinto (73’), 2-2 André Cruz (90+4’, p.).
Disciplina: Amarelo a Teles (57’), André Lourenço (66’), Daniel Oliveira (75’), Lourenço (90’), David (90+3’).

Texto e foto: Carlos Pinheiro – Diário de Leiria