José Roque

O plantel da UD Leiria vive dias dramáticos. São já três os meses de ordenados em atraso, com os jogadores leirienses a demonstrarem algum “desespero” e “angústia” com um problema que parece não ter fim à vista. Em causa, está o facto de os jogadores da equipa sénior da UD Leiria não receberem desde Setembro, ou seja, há três meses, com vários jogadores a colocarem agora a hipótese de avançar com rescisões de contrato alegando justa causa.
Ao que o Diário de Leiria conseguiu apurar junto de uma fonte próxima do plantel unionista, a situação de incumprimento por parte da administração da SAD está a afectar inclusivamente a vida familiar dos jogadores, tornando-se “insustentável” em muitos casos.
“Estamos a falar de jogadores com contrato profissional e que aceitaram representar a UD Leiria com o compromisso de receber tudo a tempo e horas, o que não está a acontecer. Sei de casos de jogadores que estão a ser despejados das suas casas porque não têm dinheiro para pagar a renda e outros que nem sequer têm dinheiro para comer”, adiantou a fonte.
E tudo começou no início da época. Os meses de Agosto e Setembro foram pagos já com algum atraso, mas ainda assim os jogadores viram a cor do dinheiro. Mas desde então que o desespero tem tomado conta do dia-a-dia dos jogadores.
Tendo em conta a actual situação na UD Leiria SAD, os atletas unionistas colocam agora todos os cenários em cima da mesa, que pode passar por uma greve aos treinos, uma participação no Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol e, em último caso, a rescisão de contrato. Aliás, muito dos jogadores ainda não o fizeram porque “continuam a acreditar nas promessas da administração”.
“Era preferível que as pessoas responsáveis chegassem ao pé dos jogadores e dissessem ‘não há dinheiro’. Mas não, todas as semanas há promessas novas e nunca são cumpridas. Os jogadores estão saturados”, adiantou a mesma fonte.
Até ao momento nenhum jogador abandonou o clube, mas o Diário de Leiria sabe que a grande maioria já procura alternativas noutros clubes com um projecto desportivo interessante e que, acima de tudo, cumpra os compromissos salariais.
“Da parte da administração da UD Leiria SAD o que dizem aos jogadores é que estão a trabalhar diariamente para resolver a situação, que estão à procura de investidores e que esta é uma situação pontual, mas a verdade é que são já poucos os jogadores que ainda acreditam numa luz ao fundo do túnel”, concluiu.
Apesar de tudo, a mesma fonte garante que em todo este processo, “apenas os jogadores têm sido verdadeiramente profissionais”. E acrescenta: “Os jogadores sentem-se abandonados, ninguém quer saber deles. Eles [jogadores] têm cumprido com tudo e têm conseguido vitórias, apesar de mentalmente não estarem a 100 por cento. Têm sido uns verdadeiros profissionais”.
Segundo o que o Diário de Leiria também conseguiu apurar, os jogadores deverão a­guardar até ao próximo dia 10 de Janeiro para que os responsáveis da UD Leiria SAD saldem as suas dívidas e, caso isso não aconteça, o plantel vai tomar uma posição de força, que deve passar pela rescisão de contrato com justa causa. Caso este cenário se venha a verificar, o plantel da UD Leiria ficaria extremamente desfalcado, colocando mesmo em causa o decorrer da presente época, hipotecando desde logo o objectivo de subir de divisão, isto numa altura em que a UD Leiria ocupa o terceiro lugar, a apenas dois pontos dos dois primeiros classificados.

Mudança técnica
Recorde-se que a UD Leiria tem como treinador Filipe Cândido, que entrou no cargo no passado dia 25 de Dezembro, substituindo Tiago Vicente. Depois da saída do treinador Luís Pinto, no início da época e após apenas dois jogos no campeonato, o técnico dos juniores assumiu as duas equipas, tendo conseguido oito vitórias, dois empates e três derrotas. Contudo, Tiago Vicente decidiu dedicar-se unicamente à formação júnior, tendo tido o aval da administração da SAD, que apostou agora em Filipe Cândido para liderar os destinos da equipa dentro de campo, num momento verdadeiramente delicado para os lados do Lis.

Administração da SAD em silêncio
O Diário de Leiria enviou no passado dia 19 de Dezembro um pedido de esclarecimento para a administração da UD Leiria SAD, com várias perguntas relativamente aos ordenados em atraso e outras dívidas. Contudo, até ao fecho desta edição, não obteve qualquer resposta.

“Não é bom para ninguém”
O Diário de Leiria contactou igualmente Nuno Cardoso, presidente da UD Leiria, clube que tem a participação de 40% da UD Leiria SAD, com o responsável a admitir que esta “não é uma situação boa para ninguém”. “O único comentário que me merece é que a gestão do futebol sénior não passa pelo clube. A haver incumprimento, espero que seja resolvido porque esta situação não é boa para ninguém”, limitou-se a dizer Nuno Cardoso. |

Dívida à autarquia de 63 mil euros

Além da falta de pagamento aos jogadores, a UD Leiria SAD tinha, até há poucas semanas, uma dívida avultada à Câmara Municipal de Leiria devido à utilização do Estádio Dr. Magalhães Pessoa. Recorde-se que a UD Leiria SAD tem que pagar a utilização daquele equipamento desportivo sempre que lá jogue ou realize treinos.
Segundo o jornal O Jogo, a dívida ascende aos 63.402,81 euros.

Texto: José Roque – Diário de Leiria
Foto: Luis Filipe Coito