O presidente da UD Leiria, Nuno Cardoso, acusa a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) de estar a “matar o futebol”, isto na sequência do castigo aplicado à UD Leiria SAD por aquele organismo de dois jogos à porta fechada numa altura em que os leirienses disputam o ‘play-off’ de subida à II Liga.
“Independentemente das razões que possam levar a punir quem não cumpre os regulamentos, não pode nunca, repito nunca, a entidade maior na promoção, divulgação e fomentação da modalidade entender ou regulamentar que jogar à porta fechada é defender o futebol, ou sequer castigar o prevaricador. Jogar à porta fechada é castigar os adeptos, ambos os clubes, mas sobretudo a modalidade e a competição”, escreveu o presidente do clube nas redes sociais.
Para o responsável, este castigo aplicado à UD Leiria SAD é “mais uma evidência que a FPF não quer saber dos clubes nem do Campeonato de Portugal”, recordando que esta é a fase “mais determinante e importante da época”.

UD Leiria SAD em silêncio
Até ao momento a UD Leiria SAD ainda não se pronunciou publicamente sobre o castigo aplicado pela FPF.
Recorde-se que a UD Leiria SAD irá jogar o ‘play-off’ do Campeonato de Portugal, onde se decidirão os dois clubes que sobem à Liga 2, à porta fechada. Em causa está a utilização irregular do então júnior Renato Alexandre em dois jogos da temporada 2017/18, contra o Marinhense e o Águias de Moradal. De acordo o Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) os leirienses foram ainda acusados de terem “fabricado, adulterado e falsificado” o exame médico do atleta para “ludibriar a FPF”.
Apesar de a SAD ter negado os factos – apresentou recurso – , a decisão e o castigo foram confirmados na passada semana e a UD Leiria terá de jogar frente ao Lourosa e, caso vença essa eliminatória, o jogo das meias-finais, sem adeptos no Estádio Municipal de Leiria.|

Texto: José Roque – Diário de Leiria