Região da Nazaré – Custou muito a digerir a descida de divisão do ginásio depois de um campeonato bem positivo?
Gonçalo Raimundo – Custou e ainda custa muito digerir uma situação em que toda a gente teve a noção que nunca aconteceria se não fosse existir uma segunda fase onde ninguém sabia ao certo as regras que foram várias vezes alteradas durante e as seis jornadas finais e com critérios perfeitamente incompreensíveis numa prova que se diz de regularidade. O Ginásio Clube de Alcobaça fez uma primeira fase muito boa atendendo ao facto de termos 14 clubes e só os seis primeiros se conseguirem ver livres da despromoção automaticamente, pois jogavam para subir em 10 jornadas e os últimos 8 dividiam-se em duas sub séries de quatro jogaram entre si e desses quatro em cada sub-séries, duas desciam automaticamente, só o primeiro e o segundo se mantinham, apuravam-se 12 equipas onde os pontos realizados na 1ª fase não contariam para nada. O que aconteceu foi que conseguimos fazer 39 pontos e um sexto lugar, com algumas percas de jogadores importantes no plantel, tivemos de nos desenrascar na fase seguinte com alguns atletas juniores, o que culminou nesta situação.
R.N- o que falhou para que a tua equipa não conseguisse a manutenção na III Divisão?
G.R- Falhámos todos, eu em primeiro lugar, nunca fujo ás minhas responsabilidades, o resto da equipa técnica, direcção, atletas e corpo técnico, não colocámos tudo o que deveríamos ter colocado ao serviço e em prol de um clube com largos pergaminhos no futebol, distrital e nacional. A maior parte destes jogadores bem sabe o que nos custou para nos mantermos três anos consecutivos na III divisão nacional.
R.N – Como vês o actual estado do clube, e o facto de ter andado um pouco à deriva a nível directivo?
G.R – Acho que cada vez mais estas situações vão acontecer em clubes e associações onde não à profissionais, todos temos que dar um pouco de nós a estas de forma a que se possa avançar, e o G.C Alcobaça não é excepção. Depois de longos anos na direcção o Armando Bragança resolveu parar para descansar e tiveram que se alertar as forças vivas da terra para o facto de o clube continuar o seu caminho, como decerto se irá proporcionar.
R.N – Pensas continuar como treinador da equipa sénior do Ginásio, ou tens outras propostas em mente?
G.R – Neste momento posso confirmar que tanto eu como o Horácio Luís vamos continuar como treinadores da equipa sénior do Ginásio. Depois do impasse directivo fomos convidados a permanecer no clube, o qual aceitámos de bom grado e com sentido de responsabilidades de forma a continuar o trabalho que vem sendo realizado de algum tempo a esta parte: Sabendo das dificuldades económicas do país e do clube em particular, sabemos que muitas atletas não vão aceitar os subsídios (prémios), mas decerto que conseguiremos com a ajuda de todos arranjar um plantel que dignifique a cidade, e que lute pela vitória em todas as partidas. Se me é permitido gostaria mais uma vez de agradecer ao jornal Região da Nazaré a oportunidade dada para expressar as opiniões pedidas, estando sempre disponível para tal quando solicitado
Joaquim José Paparrola (www.regiaodanazare.com)