O empate entre a UD Leiria e a Naval não foi catástrofe para nenhuma das equipas, mas com certeza terá um sabor amargo para a turma da Praia da Claridade que foi aquela que mais procurou o golo e mais oportunidades construiu, todavia, há que referir o mérito do sector defensivo da equipa do Lis, mas também os ferros da baliza à guarda de Leonardo que negaram claramente o golo aos da Naval em duas ocasiões, nomeadamente no último lance da partida, já nos descontos.

Mal se iniciou a partida constatou-se alguma ‘orfandade’ na formação navalista face às ausências de Nuno André e Ari. Ainda assim, a Naval assumiu uma dinâmica de futebol ofensivo que contou sempre com forte oposição do sector mais recuado dos leirienses.

Os minutos finais foram de emoção com os figueirenses a sufocarem o adversário na procura do golo, contudo, a chamada ‘estrelinha da sorte’ não os acompanhou nomeadamente ao minuto 80+2 quando, na sequência de bola parada, Duarte, uma vez mais, atirou contra o poste.

Naval                  0
Igor, Diogo Gomes, Simão, Gaspar, Falcão (c), Hugo (Pedro Nuno, 63), Mira, Nuno Paulo (Bernardo, int.), Duarte, Saramago (António, 50), Xavier.
Não jogaram: Ventura, Mota, Amaral, Rica.
Treinador: Reinan Pereira.

UD Leiria    0
Leonardo, Guilherme, Celso, Alexandre, Lopes, Tiago Claro (c), Marques (Eugénio, 77’), Duarte, Bruno (Oliveira, 50’), Tomás (Simão, 71’), Melo.
Não jogaram: Pedro, Carpinteiro.
Treinador: António Maia.

Campo de Treinos do Estádio Municipal José Bento Pessoa, Figueira da Foz
Árbitro: Patrick Marques (Viseu). Auxiliares: José Fernandes e Emanuel Nogueira.
Espectadores: 50.
Disciplina: Amarelo a Marques (60’) e Simão (62’).

Texto e foto: Rogério Neves – Diário de Leiria