O Caldas conseguiu um importante triunfo no terreno do Peniche por 0-2, num jogo que ficou resolvido na primeira parte, altura em que surgiram os golos que definiram o vencedor. O triunfo dos pelicanos acaba por se ajustar, já que o Peniche nunca mostrou argumentos para contrariar a desvantagem.
O jogo começou praticamente com o Caldas a beneficiar de um pontapé de penálti a castigar falta de Darson sobre Bernardo na grande área após cruzamento de Luís Farinha. Na conversão do castigo, Rafael Silveira colocou os caldenses em vantagem no marcador.
O partir daqui o Peniche tentou responder à desvantagem, mas a sucessão de lances de bola parada e alguns remates de longe mostraram-se insuficientes para perigar o último reduto dos visitantes.
Do outro lado, o Caldas não deixou de ameaçar quando Hugo Neto, num remate de ressaca, atirou a bola a rasar o poste.
O jogo continuou aberto e repartido, com ambas as equipas de olhos postos na baliza adversária. Ainda assim, o Caldas foi mais feliz e eficaz já que perto do intervalo chegou ao 0-1 na sequência de uma grande jogada individual de Luís Farinha que, depois de ultrapassar por vários adversários com um drible curto, atirou a contar já dentro da área.
Na segunda parte o Peniche entrou pressionante na busca de um resultado positivo, mas a verdade é que nunca conseguiu criar uma real oportunidade de golo. O melhor que conseguiu foi um remate à meia volta de Willyam que não acertou no alvo.
A meio da segunda parte, o Peniche finalmente ficou perto de reduzir após excelente lance de João Silva a servir Motinha que rematou para grande defesa de Luís Paulo com o pé.
Pouco depois os homens da casa voltaram a ameaçar com Motinha a assistir para a boca da baliza, mas nenhum colega conseguiu desviar para o fundo das redes. Este lance era bem demonstrativo do momento do Peniche. Muita vontade de fazer as coisas bem, mas pouca arte e engenho para materializar em golos.
Até ao apito final, o Peniche continuou a pressionar, mas o Caldas mostrou-se sempre muito sereno a defender, nunca enjeitando visar a baliza contrária.
Com este resultado, o Caldas ‘respira’ bem melhor na tabela, enquanto o Peniche colocou mais um ‘prego no caixão’, pelo que será muito difícil garantir a manutenção. |

GD Peniche 0
Diogo Soares, Paulo Brites, João Lobo, Gilson Correia, Luís Gonçalves, Darson Silva (Amar Boissy, 46′), Bissula, Motinha (Luís Pinto, 90+1′), Diego Zílio (Willyam, 46′), João Silva, Tiago Ferreira.
Não jogaram: Mamadou Ba, Francisco Pacheco, Octácio, Hugo Meira.
Treinador: José Rachão.

Caldas SC 2
Luís Paulo, Passos, Militão, Rui Almeida, Luís Farinha, André Santos, Paulo Inácio, Bernardo Rodrigues (Ednilson, 69′), Nuno Januário (Passuco, 74′), Hugo Neto, Rafael Silveira (Marcelo , 86′).
Não jogaram: Rui Oliveira, Pedro Gaio, Juvenal, Mark Coito.
Treinador: José Vala.

Estádio do GD Peniche
Árbitro: Gonçalo Nunes (AF Lisboa). Assistentes: José Costa e Miguel Macedo.
Ao intervalo: 0-2. Espectadores: 750.
Golos: 0-1 Rafael Silveira (7, p.), 0-2 Luís Farinha (43′).
Disciplina: Nada a registar.

Texto: Renato Santos – Diário de Leiria
Foto: Joel Ribeiro – Arquivo