Depois da derrota na primeira jornada da segunda fase do Campeonato Nacional, o Caldas sabia que ia ter pela frente uma das melhores equipas que estão inseridas na zona Centro, daí que não se esperasse tarefa fácil para o conjunto orientado por João Aguiar. E assim foi.
O Caldas, bastante ambicioso, deu muito trabalho ao reduto defensivo local, mas ainda assim foi o conjunto da casa que, logo aos quatro minutos, esteve perto de marcar, valendo Tavares, com uma grande defesa, a negar o golo a Gui.
O Caldas respondeu e acabaria por chegar ao golo, mas o árbitro esteve bem ao anular o lance por posição irregular do jogador visitante. A equipa forasteira voltaria a estar perto de abrir o marcador, mas Gustavo, na ‘cara’ de Piscas, desperdiçou a oportunidade.
O Taboeira procurava, com bolas nas costas da defensiva do adversário, criar também lances de golo, mas seria de novo o Caldas a estar perto de marcar. Dani, sem dúvida o melhor jogador caldense (mostrou um drible impressionante), rematou de ângulo difícil à barra da baliza defendida por Piscas, acabando por se manter o nulo até ao intervalo.
Na segunda parte assistiu-se a um autêntico recital de futebol por parte das duas equipas. Nos minutos iniciais, o Taboeira chegou ao golo, após um canto apontado por Velhinho, com Bernardo a cabecear de forma fulminante e a dar vantagem ao conjunto da casa. O Caldas foi em busca do empate e esteve perto de o fazer quando voltou a acertar na barra de Piscas, isto numa fase muito intensa da partida.
O Taboeira também desperdiçou o segundo golo por duas vezes: primeiro, Joaquim fez tudo bem e, já na ‘cara’ de Tavares, deixou que o guardião visitante chegasse primeiro ao esférico; depois foi Afonso, também com um bom remate, que quase fez balançar as redes adversárias.
E numa fase em que os visitantes apostavam todas as ‘fichas’ na procura do empate, o Taboeira revelou-se mais eficaz, com Tomás a marcar o golo no último dos quatro minutos de descontos dados pelo árbitro. Vitória justa do Taboeira, mas por tudo aquilo que jogou o Caldas merecia, no mínimo, o tento de honra, num partida com extraordinário trabalho do trio de arbitragem que viajou de Vila Real.|

AD Taboeira 2
Piscas; David, Gabriel, Bernardo, Neto, Sarmento, Abrantes (Afonso, 54′), Gui (Joaquim, 54′), Jota (Costa, 62′), Renato (Francisco, 74′) e Velhinho (Tomás, 74′).
Treinador: Vasco Barros.

Caldas SC 0
Tavares; Gonçalves, Castelo (Dinis, 64′), Meca, Sarrazina, Cruz (Pereira, 58′), Mondim (Leo, 40′), Dani, Gustavo,
Constantino e Dias (Jesus, 53′).
Treinador: João Aguiar.

Complexo Desportivo de Taboeira
Árbitro: André Silva (AF Vila Real).
Assistentes: Artur Veiga e Vítor Coelho.
Ao intervalo: 0-0. Espectadores: 80.
Golos: 1-0 Bernardo (43′), 2-0 Tomás (80+4′).
Disciplina: Amarelo para Tavares (75′), Dinis (77′) e Gustavo (80+1′). Cartão vermelho ao treinador João Aguiar (80′).

Texto: Avelino Conceição e Ricardo Carvalhal