AC Marinhense B 8
Jorge, Marcelo, Douglas, João Oliveira, Edgar Alves, Vítor Duarte, Miguel Vinagre (c) (Dinis, 75′), André Carvalho (Bryan, 75′), Miguel Velosa (Rodrigo Mendes, 75′), Tiago Ferreira (Guilherme, 68′), João Mendes (Arthur, 68′)
Não Utilizados: David Santos, Sérgio Pinto.
Treinador: Vítor Duarte.

Moita do Boi 1
Duarte, Marquito (Joãosito, int.), Micael Costa (c), Rudi Coelho, Micael Santos, Barca, Calixto, David (Alex, 80′), Ciro (Ricky, 70′), Reinaldo (Rodrigo, 80′), André (Saramago, 70′).
Não Utilizados: Rodolfo, Nélson.
Treinador: Marco Gomes.

Campo da Portela, na Marinha Grande.
Assistência: Sem espectadores.
Árbitro: Rafael Marques.
Ao intervalo: 3-0
Marcadores: 1-0 Miguel Velosa gp (25′), 2-0 Miguel Velosa (36′), 3-0 Douglas (40′), 3-1 Joãosito (48′), 4-1 João Mendes (50′), 5-1 Vítor Duarte gp (52′), 6-1 Miguel Velosa gp (70′), 7-1 Guilherme (85′), 8-1 Rodrigo Mendes (90′).
Acção Disciplinar: Amarelo a Duarte (25′), Micael Costa (50′), Rudi Coelho (50′), João Oliveira (60′). Vermelho directo a Bruno Ferreira (60′) e Calixto (68′).

Num jogo praticamente sem história e onde naturalmente venceu a equipa com mais argumentos, o Marinhense B conseguiu uma goleada das antigas por 8-1.

O jogo começou com a equipa do Marinhense desde cedo a assumir o jogo e a procurar empurrar a equipa da Moita do Boi para o seu reduto ofensivo. Ainda assim, apesar de ter pouca bola, a Moita do Boi ia mostrando coesão defensiva, defendendo bem e procurando sempre a oportunidade de lançar rápidos contra-ataques para o rapidíssimo Reinaldo. Apesar disso, poucas vezes esses lances iam saindo e paulatinamente o Marinhense foi apertando o cerco, até que aos 25′, num lance bastante controverso, o Marinhense vai dispor de uma grande penalidade, que Miguel Velosa aproveitou para fazer o 1-0.

A Moita do Boi sentiu bastante o golo sofrido e aos 36′, num lance em que Edgar Alves assiste na perfeição Miguel Velosa, este faz de cabeça o 2-0. Pouco depois, ais 40′, e no seguimento de um canto, o passante Douglas salta mais alto que toda a gente e faz o 3-0 com que se chegaria ao intervalo.

O intervalo parece ter feito bem à equipa do Louriçal, e logo no recomeço, aos 48′, o recém entrado Joãosito aproveita uma recarga ao poste da baliza do Marinhense, e oportuno reduz para 3-1. Podia pensar-se que o jogo estava relançado, puro engano e em praticamente dois minutos o Marinhense resolveu de vez a partida. Aos 50′, João Mendes num cruzamento/remate faz um grande golo e amplia para 4-1 e aos 52′, é Vítor Duarte que na marcação de uma grande penalidade, a castigar falta sobre Miguel Velosa, faz o 5-1. A Moita do Boi nunca mais se reencontrou, e para piorar, aos 68′ fica reduzida a dez unidades, após a expulsão de Calixto. O Marinhense ia tranquilamente controlando a partida, e aos 70′, é Miguel Velosa que aproveita um novo lance de grande penalidade, e faz o 6-1. O jogo seguia para o seu final, não antes que aos 85′, Guilherme dê o melhor seguimento a um bom lance colectivo, e fácil, faça o 7-1, e já depois, mesmo em cima do apito final, Rodrigo Mendes aproveite uma sobra na área e faça o 8-1 final.
Vitória clara da melhor equipa, ainda que por números algo exagerados, num jogo em que a equipa da Moita do Boi se foi desfocando do jogo à medida que ia sofrendo os golos e perante uma equipa do Marinhense que nunca se mostrou satisfeita e foi sempre ampliando a vantagem.
Quanto à arbitragem de Rafael Marques, continuamos a achar que por vezes complica o que é fácil, e tem decisões que sinceramente é difícil de compreender. Não influenciou minimamente o resultado, mas decisões atrás de decisões, acaba por ir enervando as duas equipas, e houve mesmo tempo para duas expulsões e pessoas identificadas pela GNR a seu pedido, num jogo em que mais uma vez nos pareceu um claro excesso de zelo.

Diário de Leiria, 28 de Dezembro de 2020
Foto: AC Marinhense