MOITA DO BOI 0
Rodolfo (Duarte, 63’), Marquito, Calixto (c), Mickael (Barca, 70′), Gabriel, Nelson (Reinaldo, int.), Ronaldo (João Cintra, 70′), João do Toco (Rudi, 70’), David, Fernando e Andrezito.
Não jogaram: Zezito e Saramago.
Treinador: Marco Gomes.
.
ID VIEIRENSE 2
Ruben, Mário, Freitas, Mascoel, Luís Carlos, Zé Ricardo, Letra (c), Capão, Marcelo (André Cruz, 75’), Willian (Biscaia, 86’) e Botas (Miguel, 83’).
Não jogaram:Mini, Martim, Duarte e Diogo Domingos.
Treinador: Luciano Silva.
.
Campo da Guarita, Moita do Boi
Árbitro: Leandro Pereira.
Assistentes: Martim Carvalho e Tiago Gonçalves.
Ao intervalo: 0-2.
Golos: 0-1 Willian (15’), 0-2 Willian (35’, p.).
Disciplina: Amarelo a Rodolfo (34’),Mário (55’), Botas (58’), Gabriel (90’).
.
O Vieirense saiu da Moita do Boi com três pontos fruto de uma primeira parte bem conseguida. Na segunda metade, os visitantes souberam gerir mas a boa réplica caseira manteve o desfecho em aberto até ao final.
Nos primeiros minutos foi a equipa da casa que tentou criar perigo através de jogo organizado, mas encontrou pela frente um povoado meio-campo vieirense que foi impedindo quaisquer veleidades. Quando recuperava a bola, o Vieirense lançava perigosos contra-ataques aproveitando a velocidade dos seus homens . Foi numa dessa situações que inaugurou o marcador, uma bola lançada em profundidade para Botas que ganhou em velocidade à defensiva e serviu Willian que, no coração da área, só teve de encostar.
A Moita do Boi até reagiu de imediato por intermédio de Ronaldo, com este a ganhar a linha de fundo e a cruzar, mas Ruben percebeu a intenção e impediu que a bola chegasse a Nelson. Até ao descanso deu sempre mais Vieirense e mesmo depois de William ter bisado na conversão de um pontapé de penálti, a castigar uma falta do guardião Rodolfo sobre Zé Ricardo, os forasteiros podiam ter ampliado por duas ocasiões. Primeiro, Marcelo foi displicente na hora de rematar e permitiu a Fernando cortar a bola, depois foi Botas a não conseguir driblar a defesa quando surgiu em boa posição.
No segundo tempo, assistimos a uma partida mais equilibrada, com ligeiro ascendente caseiro. Os comandados de Marco Gomes tentavam um futebol mais organizado em contraponto com os pupilos de Luciano Silva que recorriam mais ao futebol directo mas sem resultado prático para nenhuma das formações. As poucas oportunidades de golo foram sendo bem anuladas pela defensiva contrária.
O trio de arbitragem liderado por Leandro Pereira procurou ter um critério largo, sem recorrer ao apito constante. Cometeu vários erros, é verdade, mas não nos parece que tenha tido qualquer influência no resultado final.|

Texto e foto: Carlos Pinheiro – Diário de Leiria