José Vala cumpriu o objetivo de manter o Caldas na Liga 3 e vai manter-se no comando técnico dos pelicanos na temporada 2022/23. Os objetivos e a filosofia da equipa vão manter-se, mas o técnico pretende que seja uma época mais tranquila.
“Antes das eleições no clube já tinha sido abordado por elementos da Direção sobre a possibilidade de continuar”, revelou à Gazeta o treinador, de 50 anos, acrescentando que, caso a manutenção não tivesse sido alcançada, terminaria o seu ciclo de seis anos no clube no clube.
Cumprida a manutenção, direção e treinador reuniram logo no domingo para acertar a continuidade. As ambições serão as mesmas, manter o Caldas na Liga 3. “Os moldes serão os mesmos”, diz José Vala. “O plantel pode não ser totalmente amador, mas estrutura é e mudar isso implicaria mudar toda essa estrutura”.
O objetivo principal será, portanto, a manutenção na Liga 3, mas “com menos sofrimento que esta época”, afirma José Vala.
A competição provou ser o que dela se esperava, “muito competitiva e com grande visibilidade. Nós vamos continuar a ser diferentes, talvez até de forma mais acentuada, cabe-nos fazer com que essas diferenças não se notem, sobretudo no longo prazo, porque nos jogos fomos competitivos”, sustenta.
O técnico acredita que a experiência acumulada nesta época de estreia vai ajudar a estrutura a evoluir. “Mesmo dentro do nosso contexto há coisas que podemos melhorar, é sobre isso que vamos trabalhar”, acrescenta.
Um dos aspetos a mudar é o plantel, que José Vala quer “mais curto”, para aumentar a competitividade interna, e com maior articulação com a equipa B, que o técnico também gostava de ver num patamar mais competitivo.
No entanto, o grupo de jogadores continuará a ter forte componente local. “A grande maioria dos jogadores vai continuar”, adianta. Atualmente o clube tem três jogadores deslocados, os brasileiros Leandro Borges e Mateus Lima e o colombiano Yordi. “No máximo podemos ter mais um nessas condições, com casa e alimentação”. O reforço do plantel será, por isso, com base em jogadores da região, que possam treinar ao final do dia e regressar a casa.

Joel Ribeiro – Gazeta das Caldas